Entenda como funciona o Minha Casa, Minha Vida

21 mai
Categorias: Dicas de compra

Entenda como funciona o Minha Casa Minha Vida

Você quer comprar uma casa nova, mas está com dificuldades em economizar e precisa de dinheiro. O que fazer? É aí que o Minha Casa Minha Vida entra: criado em 2009 pelo Governo Federal, o programa é uma iniciativa com o intuito de mudar a vida das famílias brasileiras, ajudando quem vai comprar um imóvel novo e precisa de financiamento imobiliário. Mas nem todos são aceitos: a renda mensal das famílias devem ser de até R$7.000, apenas.

A iniciativa conta com parcerias de empresas, como a Caixa Econômica Federal, municípios e estados, trazendo benefícios incríveis, como redução no valor dos seguros habitacionais e prestações com valores que cabem no bolso, além de muitos outros; já tendo entregado mais de 1 milhão de casas.

O programa tem quatro maneiras de ajudar no financiamento, que mudam conforme a faixa de renda:

1. Pagar uma parte do imóvel
2. Subsídio: pagar uma parte da entrada do financiamento
3. Reduzir o valor do seguro (cobrado em um financiamento habitacional)
4. Oferecer taxas de juros menores (diminuindo os valores das parcelas e do financiamento)

URBANA: Faixas de Renda e Como Participar

Primeiro, é necessário efetuar um cadastro junto à prefeitura da cidade; na possibilidade de ser aprovado, terá que assinar o contrato do financiamento e se mudar para o imóvel em até 30 dias. Assim que conseguir a casa, será preciso seguir algumas regras para não perder esse direito: pagar o financiamento em dia, morar no imóvel e pagar o IPTU, as contas de energia, água e condomínio.
Até R$1.800:
Faixa 1 – A Caixa oferece várias vantagens, inclusive um financiamento de até 120 meses, com prestações mensais que variam de R$80,00 a R$270,00, conforme a renda bruta familiar. A garantia para o financiamento é o imóvel que se vai adquirir.
Até R$2.600:
Faixa 1,5 – Pode-se adquirir um imóvel novo com taxas de juros de apenas 5% ao ano e até 30 anos para pagar, subsídios de até R$47.500.
Faixas 2 e 3 – Até 30 anos para pagar e se pode comprar um imóvel novo ou na planta, um terreno e construir uma casa do próprio jeito ou ainda no próprio terreno.
Até R$4.000:
Faixa 2: Subsídios de até R$29.000.
Até R$7.000:
Faixa 3: Não recebe ajuda financeira do governo para pagar o valor da entrada, mas tem descontos no seguro do financiamento e consegue uma taxa de juros diferenciada em relação ao mercado.

RURAL: Faixas de Renda e Como Participar

O programa é destinado a agricultores familiares e trabalhadores rurais, com renda bruta anual de até R$78.000. São considerados agricultores familiares, como beneficiários do PNHR: os assentados beneficiários do PNRA, pescadores artesanais, extrativistas, aquicultores, maricultores, piscicultores, comunidades quilombolas,povos indígenas e demais comunidades tradicionais.
Para participar, as famílias devem ser organizadas em grupos de no mínimo 4 e no máximo 50 famílias. Esse processo deve ser realizado por uma entidade organizadora sem fins lucrativos, como o Poder Público, cooperativas e sindicatos, entre outros, responsável por recolher e entregar a documentação de todos. As famílias podem ser enquadradas em três grupos de rendas, conforme renda familiar anual:
Grupo I
Famílias com renda de até R$17.000 por ano. O subsídio é concedido pelo OGU mediante devolução de contrapartida correspondente a apenas 4% do valor recebido; só se começa a pagar após a entrega da nova casa.Para suas propostas, a Entidade Organizadora deve ser primeiramente habilitada junto ao Ministério das Cidades, e feito isso, deve-se aguardar os ciclos de contratação; depois, as propostas qualificadas poderão ser protocoladas na Caixa para avaliação.

Grupo II
Famílias com renda de R$17.000,01 a R$33.000 por ano. Tem até 12 meses para construir ou reformar, com uma taxa nominal de juros de 5% ao ano e o valor do financiamento de até R$30.000.

Grupo III
Famílias com renda de R$33.000,01 a R$78.000 por ano. A família pode construir a casa e contar com um prazo para pagar de 7 a 10 anos após o término da obra.

Para participar, é preciso procurar a agência da Caixa mais próxima.Se a família tem renda anual de até R$33.000, é necessário achar uma Entidade Organizadora sem fins lucrativos para formar os grupos. Mas caso a família possua renda anual acima de R$33.000, também se pode optar por ser atendido individualmente: basta procurar a agência mais próxima e entregar a documentação.

Para as propostas dos Grupos II e III, após a entrega da documentação, elas serão avaliadas pela Caixa e, caso haja alguma pendência na documentação, a Entidade Organizadora será comunicada para regularizar.

Assim que a proposta estiver aprovada, será agendada uma data para a assinatura do Termo de Cooperação e Parceira com a Entidade Organizadora e do contrato com cada um dos beneficiários.

Tem dúvidas? Comentários? Quer se aprofundar no assunto? Converse com a gente! Entre em contato com os nossos profissionais da Direções: nós temos a DIREÇÃO certa para o sucesso.

Faça um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>